IRREDUTIBILIDADE E CONSTITUIÇÃO DIALÉTICA DA VIDA ÉTICA NO JOVEM HEGEL

Autores

  • Carlos Roberto Drawin
  • Jacqueline de Oliveira Moreira

DOI:

https://doi.org/10.20911/21769389v46n146p477/2019

Resumo

O nosso artigo tem como objetivo mostrar o caráter originário da vida ética no pensamento hegeliano, isto é, a exigência de pensá-la como irredutível à sua gênese empírica, quer na perspectiva do naturalismo, quer na do indivi­dualismo. Com tal propósito tomamos como foco de nossa análise o manuscrito de 1803-1804 que recebeu posteriormente o título de “Sistema de eticidade” ressaltando como a sua constituição dialética implica em ruptura com relação ao pensamento ético e político modernos e, desse modo, oferece fecunda contri­buição para a discussão filosófica contemporânea. Embora sem avançarmos em direção da obra de maturidade do filósofo e permanecendo numa base textual bastante restrita, acreditamos que nela já podemos discernir alguns elementos para a crítica de uma abordagem materialista da ética.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

Drawin, C. R., & Moreira, J. de O. (2019). IRREDUTIBILIDADE E CONSTITUIÇÃO DIALÉTICA DA VIDA ÉTICA NO JOVEM HEGEL. Síntese: Revista De Filosofia, 46(146), 477. https://doi.org/10.20911/21769389v46n146p477/2019

Edição

Seção

Artigos