CIFRA PARA TRANSFORMAÇÃO: MÚSICA E APOCALIPSE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20911/21768757v54n3p609/2022

Resumo

RESUMO: Centrando-se na questão da possibilidade metafísica de mudança, o artigo aborda uma particular instância musical de transformação: a perda do pró­prio mundo. A partir da observação de que a música desempenha papel especial quando se trata do colapso de mundos, o artigo analisa duas cenas filosóficas (em Platão e Schopenhauer) nas quais a música é pensada como geradora da possi­bilidade de mudança. Em Platão, a música ocorre como facilitadora educacional para a mudança (tanto individual como pessoal), e vem descrita ambiguamente em termos tanto de soberania como de ausência de fundamentação. Em Schope­nhauer, a música é pensada como fronteira do mundo, onde a perda do próprio mundo (e uma transformação mediante renúncia religiosa) é aspecto estrutural do próprio conceito de música. Essa noção da música como que fora ou à margem do mundo, em sentido hiperbólico e quase redentor, é então trazida para a discussão do filme The Big Short (sucesso de bilheteria de Hollywood em 2015), no qual o histórico colapso de Wall Street em 2007-2008 vem profetizado por uma série de personagens marginais, um dos quais tem relação especial com a música. Mais uma vez a música aparece como figura (uma cifra) para a transformação que esses personagens sentem vir, mudança que, perto do final do filme, sugere uma perda que afeta não só o mundo, mas a própria música. Embora a música tenha sido historicamente considerada como agente de mudança (de sentimentos, conceitos ou sociedades), aqui a própria música é que vem afetada por uma transformação que está além de sua capacidade de percepção e, talvez, além de seu próprio conceito. A ideia de música sugere então uma lógica de mudança que evoca, por um lado, conhecidas hipérboles de antigas reflexões teológicas sobre a música (Agostinho) e, por outro lado, relatos mais recentes de transformações, acontecimentos apo­calípticos e milagres em pensadores tão diversos como Derrida e Meillassoux, e em romances ‘apocalípticos’ contemporâneos como Wittgenstein’s Mistress (1988) de David Markson. Será que a perda da música nessas obras sugeriria a possibi­lidade de novos mundos?

PALAVRAS-CHAVE: Transformação. Metafísica. Música. Hipérbole. Apocalipse.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-12-28

Como Citar

VAN MAAS, Sander. CIFRA PARA TRANSFORMAÇÃO: MÚSICA E APOCALIPSE. Perspectiva Teológica, [S. l.], v. 54, n. 3, p. 609, 2022. DOI: 10.20911/21768757v54n3p609/2022. Disponível em: https://faje.edu.br/periodicos/index.php/perspectiva/article/view/5129. Acesso em: 18 jul. 2024.