DEUS HÁ DE ENCONTRAR O PADRÃO E PARTI-LO. A PRESENÇA DE DEUS COMO O GRANDE ‘DESORGANIZADOR’ NA ARTE MODERNA E CONTEMPORÂNEA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20911/21768757v54n3p627/2022

Resumo

RESUMO: A noção metafísica de Deus como fundamento do ser, sumo princípio de ordem e harmonia, vetor da confluência entre filosofia grega e cristianismo como padrão cultural do Ocidente, entra em crise no século XIX, conjuntamente com a disrupção da ordem social tradicional e da “imagem do mundo” ontoteológica, sob os golpes da ciência e da crítica filosófica. Deus é morto, anuncia o filósofo, e a religião parece dissolver-se inexoravelmente no caminho da secularização. Deus, todavia, não se extingue: regressa poderosamente na figura antimetafísica de um Deus histórico, que se manifesta ao homem na contingência, como princípio de desordem e desajuste, trauma e estranhamento. Vários autores (nomeadamente J. Ashbery, F. Dostoiévski, P. Pasolini, T. Mendonça) são convocados para reconstruir esta imagem de Deus como “o grande desorganizador”, mas também o possível naufrágio deste embate com o transcendente, que implode no ‘silêncio, na não recepção por parte do homem-massa contemporâneo. O fracasso do sagrado, e a sua eventual banalização como recalque e espetacularização, são transcritos como experiência cómica por artistas como F. Kafka, S. Beckett , F. Fellini, J.-L. Godard.

PALAVRAS-CHAVE: Ashbery. Dostoiévski. Pasolini. Mendonça. Sagrado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-12-28

Como Citar

BARTOLOMEI, Teresa. DEUS HÁ DE ENCONTRAR O PADRÃO E PARTI-LO. A PRESENÇA DE DEUS COMO O GRANDE ‘DESORGANIZADOR’ NA ARTE MODERNA E CONTEMPORÂNEA. Perspectiva Teológica, [S. l.], v. 54, n. 3, p. 627, 2022. DOI: 10.20911/21768757v54n3p627/2022. Disponível em: https://faje.edu.br/periodicos/index.php/perspectiva/article/view/5139. Acesso em: 18 jul. 2024.